invisible invisible invisible invisible invisible invisible invisible invisible invisible invisible

a agoirar desde 2004

Busca    |    Arquivo    |    Temas    |    Ligações    |    Mediateca    |    Sobre o blog    |    RSS      |    Gosta?

terça-feira, 19 de setembro de 2006

We are the real countries

We are the real countries, not the boundaries drawn on maps with the names of powerful men. I know you'll come and carry me out into the palace of winds -- that's all I've wanted, to walk in such a place with you, with friends: an earth without maps. The lamp has gone out, and I'm writing in the darkness.

Michael Ondaatje, The English Patient

3 comentários:

Pedro do Mar disse...

Gostei.

Ha seis anos atrás comecei a ver este filme, mas na altura achei-o entediante e desisti... por isso não apanho tudo o que este texto "tem".

De qualquer forma, agradou-me muito a ideia de "an earth without maps".

As fronteiras, tal como o próprio conceito de país, são invenções nossas.

E já agora, deixa-me dizer (até porque penso que concordas comigo) que melhor do que um mundo sem fronteiras seria um mundo sem religiões.

Abraço

Savonarola/JB disse...

Uma excelente citação que faz pensar. "We are the real countries", uma ideia brilhante para definir o valor do indivíduo, muito esquecido agora. Tudo é massificação, não há o apelo ao único, ao original. Quão longe estamos dos tempos dos Beatles, da Beat Generation, do Maio de 68...

Mas... A luta continua!

Um abraço

Gato Preto disse...

Concordo absolutamente. Com ambos.
Abraços.



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...